Planificação das AEC para 2017/18

Planificação das AEC para 2017/18

O Diretor-geral da Educação quer que se salvaguardem as brincadeiras das crianças e que se saia da sala de aula na planificação das Atividades de Enriquecimento Curricular para o próximo ano letivo. O responsável quer evitar que o período curricular estique e a excessiva escolarização dessas atividades.

Numa carta enviada aos diretores das escolas e aos presidentes das câmaras municipais, das juntas de freguesias, das associações de pais e de instituições particulares de solidariedade social, o diretor-geral da Educação, José Duarte Pedroso, quer que no planeamento das Atividades de Enriquecimento Curricular (AEC) para o ano letivo 2017/2018 sejam tidos em consideração vários pontos importantes. Desde logo, que se salvaguarde o tempo de recreio necessário para as brincadeiras livres das crianças.

O responsável chama a atenção para mais aspetos. Eliminar o agendamento de trabalhos de casa, que não se esqueça o carácter lúdico das AEC que se devem orientar para o desenvolvimento da criatividade e das expressões dos mais novos, que se utilizem espaços, materiais, contextos e outros recursos educativos diversificados de forma a evitar a permanência nas salas de aula. O diretor-geral recorda ainda que é preciso garantir os apoios necessários para que todos os alunos, sem exceção, possam participar nas atividades, independentemente das suas capacidades e condições de saúde, e, por outro lado, que todas as componentes do 1.º ciclo sejam abordadas pelo professor da turma durante o período curricular.

Pode ler mais sobre esta notícia – aqui!

Pode ler a carta enviada pelo Diretor-geral da Educação – aqui!

Mais tempo de recreio

Mais tempo de recreio

Os alunos do 1.º ciclo vão beneficiar de mais meia hora de intervalo por dia, já a partir de Setembro. Como o intervalo da manhã vai passar a integrar o tempo letivo do professor, isso implica redesenhar os horários escolares. Com esta alteração, os alunos no 1.º ciclo passam a dispor de menos tempo de permanência na sala de aula e a mais tempo de recreio. A medida está prevista para entrar em vigor já no próximo ano letivo.

Os professores têm de lecionar cinco horas letivas por dia e este período de trinta minutos fará parte desse horário – que contempla as aulas, o apoio ao estudo e, agora, o intervalo. Esta informação já consta na circular da Direção-Geral de Educação, que chegou às escolas no final de junho.

A reorganização dos horários do 1.º ciclo cabe agora aos agrupamentos, que terão, na prática, duas opções: podem decidir atrasar o início das aulas meia hora (9h30 ao invés de 9h00) ou terminá-las mais cedo (15h30 em vez de 16h00). Outra alternativa é alargar o horário de almoço de 1h30 para 2h00.

Pode ler mais sobre esta notícia – aqui!

Governo entrega às câmaras tudo menos professores e escolas da Parque Escolar

Governo entrega às câmaras tudo menos professores e escolas da Parque Escolar

Competências que até agora a maioria das câmaras municipais só detinham a nível do pré-escolar e do 1.º ciclo – como a propriedade física das escolas, a tutela do pessoal não docente e a responsabilidade pela Ação Social Escolar, refeições, pequenas e grandes obras nos estabelecimentos, segurança e até a contratação de serviços como a água e eletricidade – vão ser integralmente entregues aos municípios, abrangendo agora todos os ciclos do ensino básico e do secundário. É o que prevê a proposta do governo para a descentralização de competências na área da Educação, documento que o governo entregou à Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP).

De acordo com o projeto legislativo, que prevê a implementação destas medidas a partir do ano letivo de 2018-19, apenas a tutela dos professores e de parte das escolas – algumas escolas agrárias mas sobretudo as secundárias atualmente pertencentes à Parque Escolar – ficam fora da lista de recursos físicos e humanos a entregar às autarquias.

Veja mais detalhes da notícia – aqui!

Comunicado sobre Sarampo em ambiente escolar

Comunicado sobre Sarampo em ambiente escolar

A Direção-Geral da Saúde (DGS) criou um endereço de correio eletrónico através do qual prestará informações sobre o sarampo aos representantes da comunidade escolar.

De acordo com um comunicado da DGS sobre medidas de prevenção em ambiente escolar, os representantes da comunidade escolar poderão colocar as suas dúvidas através do endereço infosarampo@dgs.pt. Por outro lado, a Linha Saúde 24 (808 24 24 24) assegura, como habitualmente, respostas concretas às questões colocadas pelo telefone.

Veja mais detalhes da notícia – aqui!

Pode ler o comunicado da DGS – aqui!

Descentralização, sim, mas não para os municípios

Descentralização, sim, mas não para os municípios

Mais de 90% dos professores são favoráveis à descentralização de competências não para os municípios, mas para um “conselho local de educação”, no qual “o município tem um papel importante, mas não determinante”, frisou Manuela Mendonça, dirigente da Federação Nacional dos Professores (FENPROF), durante a apresentação dos resultados nacionais de um inquérito realizado pela estrutura sindical. Os professores defendem o envolvimento de toda a comunidade educativa e dos agentes económicos e sociais locais no “conselho local de educação”.

A FENPROF ouviu diretores escolares e inquiriu 25 mil professores sobre “o retorno de um modelo de gestão democrática às escolas”. O inquérito revelou que a grande maioria dos professores preferem um modelo de gestão colegial, com órgãos eleitos não apenas por professores, mas também funcionários, alunos e encarregados de educação.

Veja mais detalhes da notícia – aqui!

Tablets e TPCs diferentes aliviam costas dos alunos

Tablets e TPCs diferentes aliviam costas dos alunos

Há direções escolares a arriscar novos modelos mas o caminho ainda não reúne consenso. Certo é que o peso das mochilas preocupa. “Tenho dois casos de escoliose por turma”, diz professor.

Numa altura em que mais de 47 mil pessoas já assinaram uma petição contra o peso excessivo das mochilas escolares em Portugal, pais, professores e estudantes são unânimes de que este não é o único problema na vida escolar das crianças.

(…) No Agrupamento de Escolas de Carcavelos, testa-se há seis anos um modelo em que se aboliram os trabalhos de casa, mas foi só há três anos que a direção tornou a decisão oficial. (…) os testes também não fazem parte do menu escolar.

(…) Em Santa Maria da Feira, há um colégio que iniciou um projeto apoiado pela Microsoft que transformou a forma de aprender e de estar na escola.

Veja mais detalhes da notícia – aqui!

Petição contra as mochilas pesadas nas escolas

Petição contra as mochilas pesadas nas escolas

O excessivo peso das mochilas escolares não é uma realidade de agora. Há mais de uma década que os alertas são dados, as campanhas repetem-se e os estudos comprovam os malefícios de tanta carga que as crianças têm de suportar. Para não passar de mais um alerta, um grupo heterogéneo (composto por um ator, uma jornalista, dois médicos e algumas associações ligadas à medicina) decidiu lançar uma petição: Contra o peso excessivo das mochilas escolares e em apenas três semanas já reuniram cerca de 15 mil assinaturas.

Segundo um estudo realizado pela Associação de Defesa do Consumidor (Deco) e a revista Proteste, mais de metade das crianças dos 5.º e 6.º anos de escolaridade transportam peso a mais nas suas mochilas escolares. (…) O estudo revelou que 53% das crianças que participaram no trabalho transportavam mochilas com uma carga acima do recomendável pela Organização Mundial da Saúde, isto é, superior a 10% do seu próprio peso.

Veja mais detalhes da notícia – aqui!

Pode assinar a petição – aqui!

Trabalhadores não docentes em greve dia 3 de fevereiro

Trabalhadores não docentes em greve dia 3 de fevereiro

Os trabalhadores não docentes nas escolas, que limpam salas de aula, vigiam recreios, cuidam de vários espaços, atendem pedidos de alunos, professores, pais, ganham cerca de 3,5 euros à hora. Na próxima sexta-feira, 3 de fevereiro, estes assistentes operacionais fazem greve, o que poderá comprometer o normal funcionamento de várias escolas.

A paralisação foi convocada pela Federação dos Sindicatos dos Funcionários Públicos em protesto contra a precariedade laboral e pela Federação Nacional da Educação (FNE)…

Veja mais detalhes da notícia – aqui!

Olhar pela saúde nas escolas

Olhar pela saúde nas escolas

Programa de Saúde Escolar revela hábitos de alunos e investe em ações que abordam assuntos como a alimentação, os afetos, a sexualidade, a saúde mental. O relatório do ano letivo 2014/2015 foi divulgado pela Direção-Geral da Saúde e mostra o trabalho feito nas cinco regiões do país.

Não havia muitos alunos que escovavam os dentes na escola no ano letivo 2014/2015 e nem todos tinham o boletim de vacinas atualizado. Nesse ano, foram sinalizados 2060 casos de maus tratos e registados 50 590 acidentes escolares. Oitenta por cento das escolas cumpriam a restrição de fumar e 15% tinham coberturas de fibrocimento. O Norte e o Algarve investiram na educação para os afetos e a sexualidade. O Alentejo dedicou-se sobretudo à educação alimentar e Lisboa e Vale do Tejo à prevenção do consumo de tabaco. Estes são alguns dos resultados do relatório técnico do Programa de Saúde Escolar do ano letivo 2014/2015, elaborado pela Direção-Geral da Saúde (DGS).

Veja mais detalhes da notícia – aqui!